Conselho Federal de Medicina pede liberação do aborto até 12ª semana

aborto

Do Estadão:

O Conselho Federal de Medicina (CFM) decidiu romper o silêncio e defender a liberação do aborto até a 12.ª semana de gestação. O colegiado vai enviar à comissão do Senado que cuida da reforma do Código Penal um documento sugerindo que a interrupção da gravidez até o terceiro mês seja permitida, a exemplo do que já ocorre nos casos de risco à saúde da gestante ou quando a gravidez é resultante de estupro.

Fora do Foco:

Esse blog, despretensiosamente, chama a atenção dos movimentos sociais para a discussão do novo Código Penal, conduzida pelo brilhante jurista e ministro do STJ, Gilson Dipp.

Dessa Comissão podem sair avanços extraordinários.

É sem dúvida uma briga mais frutífera do que a  que se trava na Comissão de Direitos Humanos e Minorias na Câmara.

Um briga que se dá entorno de uma figura política menor, sem expressão, e que, em condições normais de temperatura e pressão, não mereceria nota nem nesse modestíssimo blog.

Civita II por Mino Carta

Por Bruno Pavan

Não leve à mal este despretensioso blog, ele torce pela plena recuperação de Roberto Civita.

Internado no Sírio Libanês há dias, Roberto passou o bastão da Abril para a III geração da família, representada pelo seu filho Giancarlo Civita.

Este editor do blog está lendo “O Brasil”, de Mino Carta jornalista que conhece como poucos a figura de Roberto.

Em uma das passagens mais marcantes ele trata da figura pessoal do filho de Victor Civita, que não tinha o poder que tem hoje, em uma reunião que Mino teve com o chefe da Casa Civil (rs) Golbery do Couto e Silva, em nome da Veja.

Mino era editor chefe da publicação e tentava um acordo pelo fim da censura militar à revista. Ela havia sido suspensa mas voltava por conta de uma charge de Millôr Fernandes que mostrava um torturado numa cela enquanto um balão sai detrás da porta e decreta: “nada consta”.

Ao entrar na sala de Golbery, Mino fora avisado de que o filho do chefe estava presente mas não tinha hora marcada. Ficou contrariado mas acabou vencido pelo cansaço e permitiu que Roberto acompanhasse a reunião, sem antes dar um aviso: “você entra comigo, mas se compromete a não abrir a boca”. A promessa veio.

Dentro da sala a conversa evolui e Golbery promete uma saída para a Veja ir pras bancas normalmente naquela conturbada semana.

A reunião não acabaria, no entanto, sem um único pitaco de Roberto Civita: “General, se o senhor acha que devemos tomar alguma providência em relação ao Millôr Fernandes…” e a resposta vem sem reticências: “Senhor Civita, não pedi a cabeça de ninguém”.

Na antessala, Mino busca o tom mais desprezível que consegue e solta: “bem que tinha pedido que você ficasse calado, mas você é um imbecil”.

Não cheguei ainda ao fim do livro do Mino, logo, não sei se ele trará mais palavras “simpáticas” a Roberto Civita.

Mas este blog, em seu primeiro dia de funcionamento, não poderia deixar de homenageá-lo.

Da GOURMETERIA SP: Xico Sá nos entende

PIPOCA
Isso é uma pipoca gourmet

 

A GOURMETERIA SP, é um espaço destinado a contemplar o excesso de cosmopolitísmo de São Paulo.

Lugar onde se pode encontrar pipoca gourmetpastel gourmetfrango de padaria gourmet; brigadeiro gourmetpadarias gourmet aos montes… Tem de tudo, tudo que é gourmet tem aqui!

Para abrir essa seção do Fora de Foco, vai um texto do brilhante Xico Sá, o trovador moderno da imprensa brasileira.

Essa gente que degusta e harmoniza um mundo-gourmet

Ele não come, ele não bebe, ele degusta.

Ele não combina as coisas, ele harmoniza.

Ele não vai à cozinha, utiliza o espaço gourmet.

E assim mil e uma frescuras. O homem-bouquet ou o homem-hortinha e quase sempre o homem-de-predinho-antigo [vide post anterior deste blog aqui] conjugam todos esses verbos e situações.

Ele não sonda, ele não vê qualé, ele prospecta. Usa o verbo prospectar inclusive no assédio amoroso. Que romântico!

Mas deixa o rapaz prospectar em paz, fiquemos nos usos e abusos dos degustadores e harmonizadores que fizeram do mundo um planeta-gourmet.

Tudo é gourmet. Água, café, suco, ovo de páscoa… Se brincar tem até doritos-gourmet.

Tudo é gourmet e tudo se harmoniza. Hoje mesmo recebi um convite para harmonizar cerveja com chocolates finos. Lembrei do velho Francisco, meu pai, lá no seu rancho na chapada, autêntico macho-jurubeba, e declinei do chamado. Tô fuera. Já ando afrescalhado demais, chega!

A vida é muito curta para a gente ficar só degustando. Se o cara te convidar para degustar, em vez de comer ou beber um vinho, corra, Lola, corra, é roubada na certa. Se só degusta, jamais vai a fundo.

Realmente se abusa desses verbos de moda. Outro dia a Flávia Gusmão, ótima colunista do “JC” do Recife, relatou um caso que vai além de qualquer exemplo que eu pudesse imaginar. Uma amiga dela foi agraciada com uma degustação de papel higiênico. Isso aí, receberia em casa ofertas para degustar. Oi!

E você ai, caríssimo(a) leitor(a), já harmonizou alguma coisa hoje?

Agora me dê licença, madame, que vou ali degustar a minha rabada-gourmet. Sim, para harmonizar, Catuaba Selvagem ou qualquer outro vinho fino com aroma amadeirado.

E como diria meu amigo Ibrahim Sued, ademã que eu vou em frente.

 

 

A divisão no PSDB é mais grave do que se pinta

privatariatucana

Saiu na Folha, na Coluna da Mônica Bergamo:

FAMÍLIA
José Serra afasta qualquer possibilidade de se reconciliar pessoalmente com Aécio Neves, embora militem no PSDB. O ex-governador de São Paulo acha que o mineiro está por trás do livro “A Privataria Tucana”, de 2011, em que negócios de sua filha, Veronica, foram esquadrinhados. Não perdoa.

FAMÍLIA 2
O autor, Amaury Ribeiro Jr., diz em um dos capítulos do livro que foi escalado por um jornal de Minas, ligado a Aécio, para levantar informações sobre arapongas que Serra teria supostamente colocado no encalço do mineiro. A partir daí, começou a pesquisar os negócios da família do paulista. Diz, no entanto, que fez isso por conta própria, “usando da liberdade conferida aos repórteres especiais” da publicação em que trabalhava.

Fora do Foco:

José Serra dá sinais de que fará por Aécio em 2014 o que Aécio fez por ele em 2010.

Se a coluna de Bergamo tiver precedência – e geralmente têm – a cidadela paulista fica mais receptiva as investidas de Eduardo Campos, que tem conversado com empresários de São Paulo.

Sem São Paulo, Eduardo já pode sonhar com o segundo lugar…

Sonhar, aliás, até a Marina pode.

Por Murilo Silva,

Bernardo prepara a 2ª privatização das Teles

FHC e bernardo

O coletivo Intervozes e a ONG de defesa ao direito do consumidor PROTESTE estão encampando uma briga contra a cessão dos chamados “bens reversíveis” às Teles.

O governo pretende passar paras as operadoras de telefonia a propriedade definitiva sobre esses bens. Em troca, o governo quer mais investimentos na criação de centros de acesso à banda larga.

Em 1998, durante o leilão que privatizou o sistema telefônico brasileiro, o Estado manteve parte do patrimônio – móvel e imóvel – indispensável a prestação de serviço telecomunicação.

As concepcionárias adquiriram o direito de uso dessa infraestrutura, e não de propriedade.

Segundo relatório de 2012 da ANATEL, os bens conversíveis em poder das Teles somam uma lista de mais de 8 milhões de itens totalizando um valor de mercado superior à 108 bilhões de reais.

Uma mixaria…

Veja o relatório da Anatel:

http://www.anatel.gov.br/Portal/verificaDocumentos/documento.asp?numeroPublicacao=284382&assuntoPublicacao=Relat%F3rio%20RBR%20ano%20base%202011&caminhoRel=In%EDcio-Biblioteca-Apresenta%E7%E3o&filtro=1&documentoPath=284382.pdf


Para se ter uma ideia deste patrimônio, o leilão do sistema Telebras, o maior da história do País, arrecadou na época 22 bilhões de reais.

Os bens reversíveis devem voltar ao poder público para seu uso e fruto em 2025, quando termina o contrato de concessão das Teles.

Ao fim do contrato, o Estado terá o direito de dispor desses recursos como quiser, inclusive para conseguir condições melhores na negociação de renovação dos contratos.

Como se sabe, a privatização da telefonia no Brasil se deu no “limite da irresponsabilidade”.

O leilão de 1998 se consolidou por uma venda com pouco capital privado e muito incentivo público, principalmente do BNDES.

A maior empresa vendida naquele 29 de junho, na Bolsa de Valores do Rio, foi a Tele Norte Leste, arrematada pelo consórcio Telemar.

Um dia depois, o governo percebeu o óbvio. O grupo formado por empresários brasileiros não tinha grana.

O grupo comandado por Sérgio Andrade e Carlos Jereissati havia deixado a carteira em casa.

Lá entrou o BNDES como sócio, para impedir que todo o processo fosse anulado – como rezava o edital – salvando assim o que ficou conhecido como Tele-gangue.

Outro beneficiado com o processo foi o banqueiro Daniel Dantas.

(Aliás, este post se felicita por dar as boas vindas a este ilustre brasileiro aqui no “Fora de Foco”. Seja bem vindo D.D. ! Inclua-nos no seu menu. Mas cuidado, leia com moderação.)

Seguido ao leilão, gravações feitas a partir dos telefones do BNDES no Rio de Janeiro, mostravam uma concertação do governo para beneficiar o consórcio comandado pelo banqueiro baiano-carioca – que também atende pela alcunha de orelhudo.

Os “grampos do BNDES” marcaram o governo FHC. Não resistiram ao episódio: o Ministro das Comunicações, Luiz Carlos Mendonça de Barros; do Presidente do BNDES, André Lara Resende; e o lendário diretor de negócios internacionais do Banco do Brasil, Ricardo Sérgio de Oliveira.

Voltando a vaca fria, a própria existência dos bens conversíveis é um escandá-lo.

Muito desses bens são: orelhões; torres de transmissão, quilômetros e quilômetros de fios e cabos, estações telefônicas e etc. São equipamentos que estarão ultrapassados até 2025.

O fato desse patrimônio ser público, e ser disponibilizado sem custo algum as concessionárias, desestimula as empresas a investirem na modernização de equipamentos.

Por esse e por outros tantos motivos, o leilão de 1998 culminou com um dos piores serviços de telefonia do mundo e com a patranha da BrOi.

A fusão da Brasil Telecom com a Oi.

A a super Tele-Gangue, que rendeu 1 bilhão de reais a Daniel Dantas, (volto a frisar, uma referência intelectual deste blog).

Agora, a PROTESTE e o Intervozes denunciam a proposta do ministério das Comunicações de entregar os bens reversíveis às Teles em troca de metas de investimento.

O que significa entregar um mega patrimônio público para que empresas privadas invistam em si mesmas.

O Governo alega que este seria um bom negócio, justamente porque o patrimônio estaria todo sucateado até 2025.

Contudo, a teoria não se aplica muito bem a realidade. Grande parte desta lista de 8 milhões de itens corresponde a prédios, terrenos, contratos de concessão de serviços e até obras de arte.

Veja a nota da PROTESTE, que já enviou o caso ao MPF e ao TCU:

http://www.proteste.org.br/nt/nc/press-release/proteste-contra-troca-dos-bens-reversiveis-por-investimentos-das-teles

 

Nos inclua no seu menu

Caríssimos, bem vindos ao “Fora de Foco” !

Um despretensioso blog colaborativo caracterizado pela mais absoluta irresponsabilidade editorial.

Um espaço quase sério, onde publicamos quase tudo. Salve-se quem puder!

Um espaço pra quem não se leva tão a sério e se interessa pelo senso incomum.

Um espaço que tem lado, mas que não tem “aquela velha opinião formada sobre tudo”

Baseado na radicalização da democracia, que só a internet oferece, este blog existe para publicar opiniões incomuns que partem de gente comum.

Além do seu próprio texto, sempre de grande valia, você vai ler aqui as principais notícias do dia. Vamos dar a versão dos jornalões sobre o cosmos, porém, com tudo devidamente fora de lugar.

Todos os nossos dois editores se auto intitulam homens de esquerda. Mas não se intimide meu bom reaça, você é bem vindo!

O Fora de Foco conta também com um time de colunistas – alguns deles até são de verdade, tem emprego e endereço fixo.

Outros, dizem, são fictícios, injustamente taxados como “fakes”. Mas não os subestimem por isso, eles são capazes de dizer as mais cristalinas verdades.

Nos inclua no seu menu.

Compartilhe conosco seu ponto de vista incomum e entre na nossa zona de desconforto.

Resgate toda a esperança, vós que entrais…

Você é bem vindo!