Arquivo da categoria: Política

Rede: saída pela direita

O Fora de foco teve acesso ao novo mascote da Rede, de Marina Silva

Saiu no Estadão:

Gentil patrocínio

 

Não é ato oficial nem explícito: informal e discretamente o PSDB está ajudando Marina Silva a coletar assinaturas para a criação de seu novo partido.

 

Migrantes do tucanato para a Rede dos sonháticos comentaram com antigos companheiros de partido que está havendo dificuldade na coleta dos apoios exigidos pela Justiça Eleitoral para conceder registro à legenda que precisa estar legalizada até início de outubro.

 

Em vários Estados a estrutura do PSDB se movimenta para arregimentar signatários e também para conferir as assinaturas. Em Minas Gerais, por exemplo, há prefeitos encarregados de contribuir cada um com dois mil nomes devidamente checados.

 

Solidariedade? Pragmatismo: se Marina conseguir criar a tempo a sua Rede, muito provavelmente concorrerá à Presidência em 2014. Para a oposição é um bom negócio, pois quanto mais numerosos forem os concorrentes, maior a divisão de votos. Consequentemente, aumenta a chance de haver 2.º turno.

 

O raciocínio parte do princípio que hoje quem tem votos é a presidente Dilma Rousseff. A oposição pode até vir a ficar bem, mas por enquanto sabe que está mal na foto. Precisa recorrer a todos os recursos a fim de tentar equilibrar o jogo, já que a situação tem a popularidade da presidente, a exposição inerente ao cargo e todos os meios à disposição.

 

Uma das maneiras é incentivar a concorrência que possa subtrair votos de onde eles estão mais concentrados: no governo. Marina pode até não repetir o desempenho de 2010, quando atraiu 20 milhões de eleitores. Mas, se entrar na disputa, fica com parte do eleitorado de esquerda, jovens e decepcionados com a política em geral.

 

Claro que o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), também entra nessa conta. Por enquanto os tucanos estão achando ótima a movimentação dele e não o veem como uma ameaça ao senador e provável candidato do PSDB, Aécio Neves.

 

Ao contrário. Na avaliação deles Campos ajuda a difundir críticas ao governo e a atrair eleitores no Nordeste. Aqui de novo o mesmo raciocínio: quem tem votos da região é Dilma, não o PSDB. Portanto, ela teria a perder.

 

Além da questão regional, na visão dos tucanos o governador de Pernambuco também atrairia parcela do eleitorado governista que já estaria cansado do PT, crítico à maneira de Dilma governar e em busca de uma “novidade”. Isso sem falar no potencial de desagregação da base aliada ao governo que o PSDB enxerga na presença de Eduardo Campos em cena como provável candidato.

 

Muito bem, vamos que saia tudo conforme o desenho desse figurino, que haja 2.º turno, que o candidato tucano passe para a etapa final. O que garante que os outros concorrentes não ficarão neutros ou com Dilma?

 

Pois é, por ora só a esperança de que as premissas estejam certas e o vento sopre a favor.

 

Surdina. O encontro de José Serra com Eduardo Campos na sexta-feira, 15 de março, não causou desconforto no PSDB pelo fato de ter acontecido.

 

O aborrecimento foi porque Serra não avisou nem contou depois a ninguém. Nem ao governador Geraldo Alckmin com quem esteve no dia seguinte.

 

Síntese. Falando sobre o rearranjo de ministérios, o deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) resumiu numa frase ao que ficou reduzido o presidencialismo de coalizão, tema de tantas teses: “A presidente não precisa do tempo do PR, mas também não quer que nosso tempo vá para outros candidatos”.

 

Rudimentar assim. A Presidência entrega pastas a partidos e estes em troca oficializam coligação para aumentar o tempo no horário eleitoral e reduzir o dos adversários.

 

Saindo do foco

Por Bruno Pavan

Este blog considera essencial a leitura de Dora Kramer, por aqui carinhosamente chamada de Dorinha, todos os dias.

Ela não fala para a massa cheirosa tucana.

Ela fala é para o puro creme do milho verde do partido.

E, creiam, bravos colaboradores, onde tem Dorinha, tem fogo.

A tática da oposição é, como se diz no jargão boleiro, embolar o meio de campo.

Chutar a bola pra cima pra ver se alguém surpreende a favorita Dilma Rousseff.

Já atacaram pela meia esquerda, com Eduardo Campos, e agora vão pela direita verde, com a Rede de Marina.

Além da conexão Ipanema-BH, com Aécio Neves.

Enquanto isso José Serra assiste a tudo e espera…

PEC das empregadas segundo as "Mulheres Ricas"

Deu no iG:

Sem título
assista, se for capaz

Contrariando todas normas básicas de higiene e profilaxia esse blog exibe a instrutiva analise da socialite Regina Mansur, para quem: “trabalhador é trabalhador, e o doméstico é doméstico”.

Com cinco empregados fixos em casa, a advogada participante do programa “Mulheres ricas” afirma que a legislação trabalhista brasileira “é paternalista”.

“Infelizmente não vou admitir empregadas com filhos pequenos, assim como não admito moças que vão engravidar no escritório, porque eu sei que eu vou ficar um ano sem empregada, contrato homens.” (sic)

Leia: Critica à PEC das Domésticas é discurso da herança escravagista, diz professor da UnB

Veja porque Bolsonaro não entende a PEC

Veja também o afeto da classe média

 

PSDB desiste de tentar entender o Brasil e contrata marqueteiro americano

De na Folha:

VEJA
Sim, nós podemos! Podemos?

O PSDB vai trazer um dos estrategistas da campanha do presidente dos EUA, Barack Obama, para ajudar a construir a candidatura do senador Aécio Neves à Presidência da República em 2014.

A costura para trazer David Axelrod, um ex-alto funcionário da Casa Branca e conselheiro político das campanhas presidenciais de Obama, foi feita pelo novo marqueteiro do tucano, Renato Pereira, com ajuda do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso –que tem proximidade com o ex-presidente norte-americano Bill Clinton.

Segundo a Folha apurou, o partido também fez contato com Antonio Villaraigosa, prefeito de Los Angeles e uma das estrelas em ascensão do Partido Democrata dos EUA.

Haddad reclama da Globo

Esta no perfil do prefeito no Facebook, nota do portal Brasilianas:

Globo omite nome do prefeito Fernando Haddad (PT/SP) no decreto que evitou ‘drama social’ em terreno na zona leste

Por Antonio Nelson E Antonio Martins Pereira

Sob o título, Prefeitura decide desapropriar área que seria reintegrada na capital de SP, o Bom Dia Brasil desta quarta-feira, Edição do dia 27/03/2013, evitou pronunciar o nome do prefeito da capital de SP, Fernando Haddad (PT), no decreto que evitou ‘drama social’ em terreno na zona leste.

A jornalista Carla Vilhena (São Paulo) apresentou dificuldades ao falar sobre a ação de Haddad na desapropriação social, ou seja, a compra do terreno para solucionar os males que as famílias enfrentavam.

Confira abaixo o texto e vídeo no link direcionado:

Saindo do Foco:

Quem viu o JN do dia 26 ficou com a impressão de que a tragédia foi evitada por Geraldo Alckmin (“quem não reagiu sobreviveu”).

Veja trecho do off:

“A tarde, o Governo do Estado pediu ao Tribunal de Justiça que suspendesse a reintegração de posse. Isso ocorreu, depois que o governador Geraldo Alckmin (“quem não reagiu sobreviveu”) conversou com o prefeito Fernando Haddad e foi informado que a prefeitura resolveu desapropriar a área.”

Não adianta, Haddad não é da hípica.

Alberto Dines tem uma tese sobre a grande imprensa brasileira. Ele não acha que a imprensa chegue a ser um partido, ele acha que a imprensa é um clube hípico.

Todo mundo se odeia lá dentro, mais os de dentro são os de dentro, e os de fora são os de fora.

O Haddad é de fora.

Jair Bolsonaro perde a empregada. E ainda sim, ele não entende

Sugestão do colaborador João Andrade,

download
Ele não entendeu nada

Deu no Extra:

Ontem, dia em que a PEC das Domésticas foi votada no Senado, Eliana Monteiro, de 46 anos, começou em um novo emprego. Ex-empregada do deputado federal Jair Bolsonaro (PP/RJ) – contrário à proposta -, Eliana pediu dispensa da casa do parlamentar anteontem.

A arrumadeira conseguiu um emprego em que ganhará R$ 2 mil, em lugar dos R$ 1.500 que recebia na casa do político, além de manter os mesmos benefícios concedidos.

– Ele é um patrão muito bom e recolhia meu FGTS. Nunca atrasou nada, muito pelo contrário. Nem descontava do meu salário o que recolhia para o INSS – contou Eliane, que ficou na casa de Bolsonaro por um ano e meio e, a cada 15 dias, ganhava passagens para visitar a família em Campos (RJ).

Para o deputado, a PEC das Domésticas vai gerar uma onda de demissões que pode atingir até 50% das empregadas:

– A minha preocupação é não deixar que as domésticas fiquem na informalidade e com dificuldade de arranjar emprego. Muitas delas, que hoje têm carteira assinada, serão reaproveitadas como diaristas. Isso acontecerá porque o patrão que ganha um salário entre R$ 3 mil e R$ 4 mil terá dificuldade para pagar uma funcionária com esses novos encargos. Acho importante dar os direitos para os trabalhadores, mas, na prática, quero ver como o patrão vai pagar. Muitas empregadas vão acabar dependendo do Bolsa Família.

Saindo do Foco

Por Murilo Silva

O que o “bem intencionado” Jair Bolsonaro parece não entender é que a filha da dona Maria não será mais doméstica.

Segundo a ONU, existem 52 milhões de trabalhadores domésticos no mundo – esse número não leva em consideração o trabalho infantil, devem ser muitos mais.

Desse 52 milhões, a maioria absoluta é de mulheres, 83%; 29,9% estão excluídos da legislação laboral nacional; 45% não têm direito a período de descanso semanal ou férias anuais remuneradas. Mais de 1/3 das trabalhadoras domésticas não têm direito a proteção à maternidade.

Do universo de 52 milhões de empregados domésticos no mundo, 19 milhões estão na América Latina e Caribe; e não menos que 7,2 milhões de empregados domésticos estão neste continente chamado Brasil.

O Brasil é o país com mais empegados domésticos no mundo segundo a Organização Internacional do Trabalho, órgão da ONU.

Tos os países desenvolvidos juntos somam 3,6 milhões de empregados domésticos, é a metade do que o Brasil tem sozinho.

Esses 7,2 milhões de trabalhadores, ou melhor, trabalhadoras, engrossava até ontem a estatística dos 29% de trabalhadores domésticos que estão excluídos da legislação laboral nacional.

A PEC das empregadas é uma revolução silenciosa.

É a segunda abolição, como manchetou a Zero Hora.

As domésticas não ficaram sem emprego. Porque muitas delas já foram para o call-center, para o comércio, serviço, indústria e construção civil.

Como disse Delfim Neto: “um processo civilizatório esta em marcha. A empregada doméstica foi pro call-center, virou manicure e passou a tomar banho com sabonete Dove.”

Não é comunismo! É capitalismo, estúpido.

O trabalho doméstico não é mais para o bico da classe média.

Bem vindo a civilização, meu bom reaça.

Em tempo: Leia trechos de um excelente artigo sobre o tema na Fobes – tradução livre.

Kenneth Rapoza da Forbes, conta sua experiência como correspondente no Brasil:

“Eu vivi no Brasil por 10 anos. Saí em março de 2010. Empregadas faziam meu almoço: arroz, feijão e carne. Salada. Sobremesa. Refresco, suco de laranja ou limonada suíça ou maracujá ou guaraná. Em seguida, ela lavava a louça. Depois, lavava e passava minhas roupas.” […] “Eu pagava R $ 80 por dia, ou R $ 140 por semana, cerca de US $ 78 para dois dias completos de trabalho.” […]

“Uma colunista do jornal Folha de São Paulo também morava no prédio (em Higienópolis). Ela tinha uma filha. Só a filha tinha uma empregada e uma babá, sete dias por semana. Era uma colunista de 40 e poucos anos de um jornal tradicional, não uma estrela de rock.” […]

“A renda de empregadas domésticas brasileiras aumentou em média 6,7 por cento em apenas um ano, em termos reais. O aumento do salário causa um constante declínio no número de trabalhadores domésticos no mercado.” […] ” Os pobres têm coisas melhores para fazer do que trabalhar para adolescentes de classe média que ainda não aprenderam nem a dobrar e guardar as suas próprias camisetas.”

“Salários elevados – escassez. Muitos brasileiros não podem mais pagar empregadas. Bem-vindo ao seu sonho americano, Brasil !”

Lula sobre FHC: tenho pena

jt12_lulafh
Promessa é dívida

Entrevista de Lula ao Valor Econômico de hoje:
O Brasil nunca esteve em tão boas mãos como agora. Nunca esse país teve uma pessoa que chegou na Presidência tão preparada como a Dilma. Tudo estava na cabeça dela, diferentemente de quando eu cheguei, de quando chegou Fernando Henrique Cardoso. Você conhece as coisas muito mais teóricas do que práticas. E ela conhecia por dentro. Por isso que estou muito otimista com o sucesso da Dilma e ela está sendo aquilo que eu esperava dela. Foi um grande acerto. Tinha obsessão de fazer o sucessor. Eu achava que o governante que não faz a sucessão é incompetente.

O Brasil está recebendo US$ 65 bilhões de investimento direto. Então não dá para se ter qualquer descrença no Brasil nesse momento. Nunca os empresários brasileiros tiveram tanto acesso a crédito com um juro tão baixo.

(…) ela não perde suas convicções ideológicas, mas não perde o senso prático para governar o país. Ela não vai governar o país com ideologia. Se alguém ainda aposta no fracasso da Dilma, pode começar a quebrar a cara. Ela tem convicção do que quer. Esses dias liguei para ela e disse para tomar cuidado para não passar dos 100%. Porque há espaço para ela crescer. Vai acontecer muito mais coisa nesse país ainda. Não adianta torcer para não ter sucesso. Não há hipótese de o Brasil não dar certo.

Minha relação de amizade com Eduardo Campos e com a família dele, que passa pela mãe, pelo avô e pelos filhos, é inabalável, independentemente de qualquer problema eleitoral. Eu não misturo minha relação de amizade com as divergências políticas. Segundo, acho muito cedo pra falar da candidatura Eduardo. Ele é um jovem de 40 e poucos anos. Termina seu mandato no governo de Pernambuco muito bem avaliado. Me parece que não tem vontade de ser senador da República nem deputado. O que é que ele vai ser? Possivelmente esteja pensando em ser candidato para ocupar espaço na política brasileira, tão necessitada de novas lideranças. Se tirar o Eduardo, tem a Marina que não tem nem partido político, tem o Aécio que me parece com mais dificuldades de decolar. Então é normal que ele se apresente e viaje pelo Brasil e debata. Ainda pretendo conversar com ele.

[…] O que é importante é que não estou vendo ninguém de direita na disputa.

Eu não pedirei para não ser candidato nem para ele nem para ninguém. A Marina conviveu comigo 30 anos no PT, foi minha ministra o tempo que ela quis, saiu porque quis e várias pessoas pediram para eu falar com ela para não ser candidata e eu disse: “Não falo”. Acho bom para a democracia. E precisamos de mais lideranças. O que acho grave é que os tucanos estão sem liderança. Acho que Serra se desgastou. Poderia não ter sido candidato em 2012. Eu avisei: não seja candidato a prefeito que não vai dar certo. Poderia estar preservado para mais uma. Mas Serra quer ser candidato a tudo, até síndico do prédio acho que ele está concorrendo agora. E o Aécio não tem a performance que as pessoas esperavam dele.

Não tem adversário fácil.

Eu quero palanque.

Vou lá em Garanhuns, vou ao Rio, São Paulo, Roraima.

[…] Para nós a manutenção da aliança com o PMDB aqui em São Paulo é importante.

[…]  Nós nunca tivemos tanta chance de ganhar a eleição em São Paulo como agora. A minha tese é a mesma da eleição de Fernando Haddad. Ou seja, alguém que se apresente com capacidade de fazer uma aliança política além dos limites do PT, além dos limites da esquerda. Como é cedo ainda, temos um ano para ver isso. Eu fico olhando as pessoas, vendo o que cada um está fazendo. E pretendo, se o partido quiser me ouvir, dar um palpite.

Valor: Desde que deixou a Presidência, o senhor tem sido até mais alvejado que a presidente. Foi acusado de tentar manter a chefe do gabinete da Presidência da República em São Paulo. Agora foi acusado de ter suas viagens financiadas por empreiteiras. Como o senhor recebe essas críticas e como as responde?

Lula: Quando as coisas são feitas de muito baixo nível, quando parecem mais um jogo rasteiro, eu não me dou nem ao luxo de ler nem de responder. Porque tudo o que o Maquiavel quer é que ele plante uma sacanagem e você morda a sacanagem. É que nem apelido: se eu coloco um apelido na pessoa e a pessoa fica nervosa e começa a xingar, pegou o apelido. Se ela não liga, não pegou o apelido. Tenho 67 anos de idade. Já fiz tudo o que um ser humano poderia fazer nesse país. O que faz um presidente da República? Como é que viaja um Clinton? A serviço de quem? Pago por quem? Fernando Henrique Cardoso? Ou você acha que alguém viaja de graça para fazer palestra para empresários lá fora? Algumas pessoas são mais bem remuneradas do que outras. E eu falo sinceramente: nunca pensei que eu fosse tão bem remunerado para fazer palestra. Sou um debatedor caro. E tem pouca gente com autoridade de ganhar dinheiro como eu, em função do governo bem-sucedido que fiz neste país. Contam-se nos dedos quantos presidentes podem falar das boas experiências administrativas como eu. Quando era presidente, fazia questão de viajar para qualquer país do mundo e levar empresários, porque achava que o presidente pode fazer protocolos, assinar acordo de intenções, mas quem executa a concretude daquilo são os empresários. Viajo para vender confiança. Adoro fazer debate para mostrar que o Brasil vai dar certo. Compre no Brasil porque o país pode fazer as coisas. Esse é o meu lema. Se alguém tiver um produto brasileiro e tiver vergonha de vender, me dê que eu vendo. Não tenho nenhuma vergonha de continuar fazendo isso. Se for preciso vender carne, linguiça, carvão, faço com maior prazer. Só não me peça para falar mal do Brasil que eu não faço isso. Esse é o papel de um político que tem credibilidade. Foi assim que ganhei a Olimpíada, a Copa do Mundo. Quando Bush veio para cá e fomos a Guarulhos, disse a ele que era para tirarmos fotografia enchendo um carro de etanol. Tinham dois carros, um da Ford e um da GM, e ele falou: “Eu não posso fazer merchandising”. Eu disse: “Pois eu faço das duas”. Da Ford e da GM. E o Bush tirou foto com chapéu da Petrobras. Sem querer ele fez merchandising da Petrobras. Você sabe que eu fico com pena de ver uma figura de 82 anos como o Fernando Henrique Cardoso viajar falando que o Brasil não vai dar certo. Fico com pena.

Valor: O senhor voltará à política em 2018?

Lula: Não volto porque não saí.

Valor: Voltará a se candidatar?

Lula: Não. Estarei com 72 anos. Está na hora de ficar quieto, contando experiência. Mas meu medo é falar isso e ler na manchete. Não sei das circunstâncias políticas. Vai saber o que vai acontecer nesse país, vai que de repente eles precisam de um velhinho para fazer as coisas. Não é da minha vontade. Acho que já dei minha contribuição. Mas em política a gente não descarta nada.

Valor: Que análise o senhor faz do julgamento do mensalão?

Lula: Não vou falar por uma questão de respeito ao Poder Judiciário. O partido fez uma nota que eu concordo. Vou esperar os embargos infringentes. Quando tiver a decisão final vou dar minha opinião como cidadão. Por enquanto vou aguardar o tribunal. Não é correto, não é prudente que um ex-presidente fique dizendo “Ah, gostei de tal votação”, “Tal juiz é bom”. Não vou fazer juízo de valor das pessoas. Quando terminar a votação, quando não tiver mais recursos vou dizer para você o que é que eu penso do mensalão.

O equilíbrio da gangorra ideológica

Por Bruno Pavan

Sempre gostei de política. Me divertia quando pequeno assistindo ao horário político. Na campanha de 1989, cantarolava o jingle de Brizola. Dessas coisas que os bebês fazem.

 

Me descobri um cara de esquerda tardiamente, na faculdade. Ninguém da minha família é de esquerda. Depois disso, meu interesse pela política só aumentou, me fazendo um insistente esmurrador de ponta de faca.

 

Desde então, fui um defensor do governo Lula e de toda a mudança social que este promoveu no país. Também fui eleitor e sou defensor do governo Dilma Rousseff.

 

A maturidade e a informação, no entanto, riscaram o pavio da minha mente e tiraram algumas coisas do lugar.

 

Fácil é cair num vazio ideológico nos dias de hoje. Apoiar o governo sem ser pelego, ser socialista mas ser pragmático dentro de uma democracia representativa. Difícil saber onde essa gangorra vai parar.

 

Saber que a Copa e as Olimpíadas trarão avanços para o país, mas ser sensível a todas a “reintegrações de posse” patrocinadas pelo governo. Ter a consciência de que Belo Monte é essencial para o futuro do país, mas apoiar todos os índios que sofrem com os excessos do governo por meio de seu “convênio” com a iniciativa privada.

 

Vou desrespeitar todas as regras de uma boa redação e não vou dar resposta ao meu problema. Talvez essa incoerência seja humana e eu tenha que conviver com isso. Talvez eu arrume uma resposta com mais tempo e mais informação. Sempre respeitando, porém, o meu lado esquerdo: meu coração.

Na PUC, D. Odilo e Anna Cintra seguem na vanguarda do atraso

image_preview
democracia: era vidro e se quebrou

Deu na Rede Brasil Atual  

São Paulo – A vice-presidenta da Associação dos Professores da PUC São Paulo (Apropuc), Maria Beatriz Costa Abramides, terá de comparecer amanhã (27) a audiência de comissão aberta contra ela por ter apoiado estudantes em manifestações contra a escolha da docente Anna Maria Marques Cintra como reitora.

Segundo o processo, Beatriz Abramides é acusada de “desrespeito a pessoas envolvidas no ambiente universitário”, “falta de acatamento a disposições legais”, “desrespeito a superiores hierárquicos e colegiados da universidade” e “contribuir para atos de indisciplina dos estudantes”. As acusações estão apoiadas nos artigos 322 e 325 do regimento interno da PUC. O processo inclui também acusação de “incontinência de conduta”, referente ao artigo 482 da Consolidação das Leis de Trabalho (CLT), que rege as condições de rescisão de contrato por justa causa.

A professora está sendo processada por sua participação em uma manifestação, organizada por estudantes, que impediu a realização da reunião do Conselho Universitário (Consun).

Segundo Beatriz Abramides, que também é docente do Departamento de Serviço Social da PUC, ela foi convidada pelos estudantes a dar uma aula pública no dia da manifestação do dia 27. “A reitoria pinçou trechos da minha fala no ato e anexou no processo. É uma perseguição de cunho político.”

“A Apropuc fez uma assembleia no dia anterior à manifestação e decidiu apoiar os estudantes. A Beatriz foi à manifestação como representante da entidade”, diz Priscilla Cornalbas, professora e diretora da associação.

Saindo do Foco:

Por Murilo Silva

De volta à paróquia, d. Odilo segue a ostentar seu mais profundo desprezo pela democracia ao apoiar incondicionalmente a política de enquadramento protagonizada por sua longa manus  –  bonito isso – Anna Cintra.

O movimento estudantil da USP vêem lutando contra a perseguição contra seus estudantes sindicados, luta que também se travou na PUC na época de Maura Veras. Agora, nos deparamos com a perseguição contra professores.

É de fazer inveja ao velho regime, que entre 1964 e 1986 não conseguiu se instalar dentro da PUC.

A perseguição contra a professora Maria Beatriz é uma perseguição ao livre exercício da opinião, da expressão e da ação política – inerentes ao caráter iluminista que inspirou a criação das universidades, na Itália e na França renascentista do século XII.

Anna Cintra e d. Odilo estão arrastando a PUC da vanguarda da vanguarda para a vanguarda do atraso.

Em tempo: Maria Beatriz Costa Abramides tem o couro grosso. Militante de esquerda, ainda jovem sofreu a mais brutal das repressões durante a ditadura. Certamente não se curvará diante de represarias. Nesse processo, a professora Bia, como é conhecida, deverá contar com amplo apoio da comunidade acadêmica

 

Haddad: Pinheirinho? Comigo não

5f082hu7a9tqoquuct4h680ja

 

Deu na Rede Brasil Atual:

São Paulo – O prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) informou hoje (26), durante o anúncio do Plano de Metas de seu governo, que a prefeitura está intercedendo para reverter a reintegração de posse de um terreno na zona leste da cidade onde vivem 750 famílias de sem-teto. A desocupação, por ordem judicial a pedido do proprietário, começou hoje de manhã com homens da tropa de choque da Polícia Militar, que usou bombas de efeito moral para dispersar moradores que protestavam na frente do terreno.

Segundo Haddad, o secretário de Habitação do município, José Floriano de Azevedo Marques Neto, foi instruído a procurar o dono da área, Heráclides Batalha, para tentar uma solução negociada, que passaria pela desapropriação amigável do local. Batalha, porém, não teria aceito a proposta.

Diante disso, a prefeitura diz que irá publicar um decreto nos próximos dias declarando a área de utilidade pública. Ao mesmo tempo, segundo o secretário de Assuntos Jurídicos, Luís Massonetto, a administração entrou com uma petição no Tribunal de Justiça de São Paulo para suspender a reintegração.

O terreno fica no Jardim Iguatemi e tem 132 mil metros quadrados.

Garotinho pega Cabral no pulo

Por Murilo Silva

Contrariando todas as normas mais básicas de profilaxia e higiene, esse editor entrou hoje de manhã no blog do Garotinho.

E olha ele lá, aprontando de novo.

Novas fotos de Cabral, que como bem define Paulo Henrique Amorim, tem um defeito grave: gosta de rico.

Sorry Periferia!

20130325_cabralmadison
O que será que rolou no hotel dessa vez???

Do Garotinho maroto,

Vejam com seus próprios olhos. Sábado (23 de março), Nova Iorque, Madison Square Garden. Jogaram pela NBA (a Liga de Basquete), New York Knicks 110 x 84 Toronto Raptors. E quem estava lá na fila do gargarejo? Cabral e seu filho Marco Antônio de garrafa de cerveja na mão. Em Petrópolis, o povo sofrendo abandonado, e Cabral se manda para Nova Iorque para curtir o fim-de-semana.

E veja aqui o Pinheirinho de Cabral