Rede: saída pela direita

O Fora de foco teve acesso ao novo mascote da Rede, de Marina Silva

Saiu no Estadão:

Gentil patrocínio

 

Não é ato oficial nem explícito: informal e discretamente o PSDB está ajudando Marina Silva a coletar assinaturas para a criação de seu novo partido.

 

Migrantes do tucanato para a Rede dos sonháticos comentaram com antigos companheiros de partido que está havendo dificuldade na coleta dos apoios exigidos pela Justiça Eleitoral para conceder registro à legenda que precisa estar legalizada até início de outubro.

 

Em vários Estados a estrutura do PSDB se movimenta para arregimentar signatários e também para conferir as assinaturas. Em Minas Gerais, por exemplo, há prefeitos encarregados de contribuir cada um com dois mil nomes devidamente checados.

 

Solidariedade? Pragmatismo: se Marina conseguir criar a tempo a sua Rede, muito provavelmente concorrerá à Presidência em 2014. Para a oposição é um bom negócio, pois quanto mais numerosos forem os concorrentes, maior a divisão de votos. Consequentemente, aumenta a chance de haver 2.º turno.

 

O raciocínio parte do princípio que hoje quem tem votos é a presidente Dilma Rousseff. A oposição pode até vir a ficar bem, mas por enquanto sabe que está mal na foto. Precisa recorrer a todos os recursos a fim de tentar equilibrar o jogo, já que a situação tem a popularidade da presidente, a exposição inerente ao cargo e todos os meios à disposição.

 

Uma das maneiras é incentivar a concorrência que possa subtrair votos de onde eles estão mais concentrados: no governo. Marina pode até não repetir o desempenho de 2010, quando atraiu 20 milhões de eleitores. Mas, se entrar na disputa, fica com parte do eleitorado de esquerda, jovens e decepcionados com a política em geral.

 

Claro que o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), também entra nessa conta. Por enquanto os tucanos estão achando ótima a movimentação dele e não o veem como uma ameaça ao senador e provável candidato do PSDB, Aécio Neves.

 

Ao contrário. Na avaliação deles Campos ajuda a difundir críticas ao governo e a atrair eleitores no Nordeste. Aqui de novo o mesmo raciocínio: quem tem votos da região é Dilma, não o PSDB. Portanto, ela teria a perder.

 

Além da questão regional, na visão dos tucanos o governador de Pernambuco também atrairia parcela do eleitorado governista que já estaria cansado do PT, crítico à maneira de Dilma governar e em busca de uma “novidade”. Isso sem falar no potencial de desagregação da base aliada ao governo que o PSDB enxerga na presença de Eduardo Campos em cena como provável candidato.

 

Muito bem, vamos que saia tudo conforme o desenho desse figurino, que haja 2.º turno, que o candidato tucano passe para a etapa final. O que garante que os outros concorrentes não ficarão neutros ou com Dilma?

 

Pois é, por ora só a esperança de que as premissas estejam certas e o vento sopre a favor.

 

Surdina. O encontro de José Serra com Eduardo Campos na sexta-feira, 15 de março, não causou desconforto no PSDB pelo fato de ter acontecido.

 

O aborrecimento foi porque Serra não avisou nem contou depois a ninguém. Nem ao governador Geraldo Alckmin com quem esteve no dia seguinte.

 

Síntese. Falando sobre o rearranjo de ministérios, o deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) resumiu numa frase ao que ficou reduzido o presidencialismo de coalizão, tema de tantas teses: “A presidente não precisa do tempo do PR, mas também não quer que nosso tempo vá para outros candidatos”.

 

Rudimentar assim. A Presidência entrega pastas a partidos e estes em troca oficializam coligação para aumentar o tempo no horário eleitoral e reduzir o dos adversários.

 

Saindo do foco

Por Bruno Pavan

Este blog considera essencial a leitura de Dora Kramer, por aqui carinhosamente chamada de Dorinha, todos os dias.

Ela não fala para a massa cheirosa tucana.

Ela fala é para o puro creme do milho verde do partido.

E, creiam, bravos colaboradores, onde tem Dorinha, tem fogo.

A tática da oposição é, como se diz no jargão boleiro, embolar o meio de campo.

Chutar a bola pra cima pra ver se alguém surpreende a favorita Dilma Rousseff.

Já atacaram pela meia esquerda, com Eduardo Campos, e agora vão pela direita verde, com a Rede de Marina.

Além da conexão Ipanema-BH, com Aécio Neves.

Enquanto isso José Serra assiste a tudo e espera…

Não ser mais realista que o Rei. Para regulamentação da mídia, chame o Bernardo

Se você está com problemas de regulamentação da mídia, fale com o Bernardo. Eu falaria…

Por Bruno Pavan

 

Nos últimos meses, o diretor de jornalismo da rede Globo Ali Kamel, vem ganhando seguidos processos contra blogueiros “sujos” por aí. Melhor dizendo: os calando pelo bolso. Primeiro ele levou R$ 50 mil de Rodrigo Vianna, ex-repórter da emissora, hoje na Record e no blog O Escrevinhador. Nesta semana, ganhou R$ 30 mil de Luis Carlos Azenha, titular do Viomundo.

Os blogs no Brasil já existiam antes de 2005, mas foi o auge do escândalo do mensalão que os fortaleceram mais. Talvez os únicos espaços que davam uma leitura diferente do bombardeio contra o governo Lula que se lia e via na grande imprensa.

Existem os espaços governistas, esquerdistas, humanistas, progressistas, direitistas etc etc etc. A internet faz esse papel, traz à luz algumas discussões que são veladas na maior parte das emissoras e jornalões brasieiros.

É sadio e essencial que existam esses espaços.

Um dos grandes temas da mídia alternativa brasileira, se não o maior, é a regulamentação da mídia no Brasil. Uma distribuição mais ugual de verbas federais entre os veículos, o desmanche de grandes monopólios e o fim da chamada “propriedade cruzada”. Uma grande e digna luta. Mas que não depende só dos pequenos blogueiros.

Este blog não tem prtensão de pautar a luta de ninguém. Mas lê, nas atitudes do governo, que ele próprio nos obriga a tomar outra posição quanto a esse ponto.

A realidade é: o governo não tem o menor interesse em aprovar qualquer coisa que ande na direção de qualquer regulamentação da mídia. Nem executivo muito menos o legislativo.

Ser Dom Quixote só vai tirar mais dinheiro e saúde de qualquer blogueiro que queira dar murro em ponta de faca.

Este blog tem por princípio não ser mais realista que o Rei. Seu intuito é divertir os leitores e abrir seus olhos para outras visões de mundo. Para regulamentação da mídia, tecle 5 para falar com o ilustre ministro Paulo Bernardo ou aguarde na linha para conversar com Helena Chagas.

Marcelo Tas e FHC: nem custou tanto

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=vVqDk7thpZE&w=420&h=315]
Que docinho de coco!!!!! 

 

Saiu no Blog do Rovai: http://revistaforum.com.br/blogdorovai/2013/03/28/video-sensacional-o-corajoso-reporter-marcelo-tas-entrevista-fhc/

Marcelo Tas sempre foi uma pessoa de imensa coragem, como você poderá ver neste vídeo onde entrevista o então senador Fernando Henrique Cardoso. Intrépido, irônico, lacônio, duro… Vejam com carinho especial, a hora que ele fala sobre Fernando Henrique com a sua ex-esposa Ruth Cardoso. É um show de jornalismo. Por isso não surpreende que tenha autorizado sua reportagem a fazer uma matéria do nível que o CQC fez com o deputado José Genoino.

Quem me enviou a dica pelo twitter foi o Marcelo Gonçalves (@lopodinis).


Saindo do foco

 

Por Bruno Pavan

 

Quanta coragem…

 

Tas sempre foi a esperança de uma “TV moderna”

 

Hoje pega um enlatado argentino, traduz, e passa na TV Brasileira.

 

Com as mesmas piadas de anos atrás.

 

“Porque uma pessoa tão ajuizada, inteligente e culta foi se meter no meio da política?”

 

Estas são as intrépidas palavras do então repórter sobre o então Senador Fernando Henrique Cardoso.

 

A estratégia de esvaziar a política, no entanto, segue a mesma.

Cerra Solteiro: enfim uma candidata digna

Esta semana foi puxada…

Não me chamaram pro lançamento do Aécio como candidato a presidência e, não satisfeito, o FHC ainda disse que “falava por mim”. Quanto a minha fala está valendo, não é mesmo?

Meu blog voltou a ativa. Todos os dias, bem cedo (14 horas), eu coloco mais um tijolinho na crise que derrubará o governo lulo-bolchevista do planalto. Eu acredito!

Dorinha, colunista que já tive em alta conta, deu pra mentir, vejam só. Disse que eu não sei de nenhuma das decisões tomadas pelo PSDB. Imaginem! O Matarazzo sempre passa por aqui e me diz o que aconteceu. Disse que o último Datafolha fará com que meu telefone toque. Vou dar uma de difícil e vou deixar cair na caixa na primeira. E não aceito intermediários. Só vou se o povo tucano conclamar. Ou o Fernando, que dá na mesma!

E por falar no Fernando (estou falando muito dele por aqui) ele disse que o nosso partido tá precisando de um banho de povo. Que ingrato, não! Eu me dou muito bem com o povo. Jogo bola, ando de skate, como as coisas com pão… O álcool em gel não é nada pessoal…

Mas, nesta quinta-feira, enfim me veio uma notícia boa. Vi uma grande candidata ao posto em aberto no meu coração. A socialite deste vídeo aqui. Ideias arejadas e modernas, sem trololó petista sobre a PEC dos serviçais. Uma mulher a frente de seu tempo essa Regina Mansur. Alguém tem o Face dela aí?

Opa, tá tocando o telefone aqui. É meu advogado. Deve ser a decisão contra aquele panfleto petista do Amaury Ribeiro. Acho que vou conseguir uma bela grana pra esses bolchevistas aprenderem. Volto semana que vem…

Anauê

ONG denuncia CQC ao Ministério Público por exploração de menor

Veja o vídeo:

Blog da Cidadania:

Em sua edição de 25 de março, o programa da TV Bandeirantes CQC levou ao ar o que alega ter sido “reportagem” feita por um “repórter-mirim”. Um menino de aparentes 10 ou 11 anos de idade foi levado ao Congresso Nacional por seu pai e pela equipe do programa a fim de enganar o deputado federal José Genoino (PT-SP), que não queria dar entrevista.

Abaixo, a chamada para essa “reportagem” que consta do site do programa:

Após ficar na cola de José Genoino, o repórter Mauricio Meirelles finalmente conseguiu falar com o deputado petista. Com ajuda do repórter mirim João Pedro, Genoino falou abertamente sobre sua condenação no processo do mensalão e deu a sua opinião sobre o ‘mensalão mineiro’”.

Segundo o apresentador do programa Marcelo Tas, a criança é filha de um “militante petista”. O programa mostra o suposto pai de “João Pedro” apresentando-se ao deputado em questão à porta de seu gabinete na Câmara dos Deputados. Genoino, então, recebe o “militante” e seu “filho”. Esse “militante” grava um vídeo em que a criança “entrevista” o deputado.

A justificativa de que “João Pedro” atuou como “repórter-mirim”, na visão da Organização Não Governamental Movimento dos Sem Mídia, não procede. Não existe regulamentação para tal atividade ou para trabalho de alguém tão jovem e o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) é muito claro quanto à exposição da imagem de menores.

Abaixo, os textos do LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990 (ECA) que versam sobre o tema.

Art. 17. O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, idéias e crenças, dos espaços e objetos pessoais.

Art. 100, item V – privacidade: a promoção dos direitos e proteção da criança e do adolescente deve ser efetuada no respeito pela intimidade, direito à imagem e reserva da sua vida privada;  (Incluído pela Lei nº 12.010, de 2009)

Com base na legislação pertinente, o Movimento dos Sem Mídia, através de seu presidente, autor deste Blog, nos próximos dias consultará e eventualmente representará ao Ministério Público (de São Paulo ou Federal, a decidir) por conta da exploração de imagem e pela evidente corrupção psicológica e moral da criança em questão.

Saindo do Foco:

Marcelo Tas no twitter: “Sou do tempo que jornalista honrado era crítico ao governo. Agora os “honrado (sic)” são patrocinados pelo governo”.

A criminalização dos caraminguás que o governo “dá” através de publicidade oficial as publicações alternativas é um discurso recorrente da direita nesse país.

Principalmente quando se leva em consideração que, a maior parte do bolo continua na grande impressa, e que quase metade da publicidade oficial segue no bolso da família Marinho.

Bem, como se sabe, desde Marcelo Moreno – garoto propaganda da Bombril – um careca não brilha tanto no mercado publicitário como Marcelo Tas.

Ou seja, não esconde de ninguém que é bancado pela PepsiCo, pela Vivo, pelo Governo ou por quem pagar mais.

Quando Marcelo Tas diz que: “é do tempo que jornalista honrado…” prefiro imaginar que não esteja se incluindo na categoria.

Humilhar um homem condenado à espera de sentença não se presta ao jornalismo, muito menos se valendo de uma criança para tal. Esse tipo coisa se encaixa muito melhor na categoria de entretenimento de mal gosto.

Aliás, nem John Saad acha que o CQC faz jornalismo, uma vez que o programa é a presentado na grade da Band como entretenimento, e não jornalismo.

Em tempo, segue brilhante observação sobre o assunto de Patrick Mariano, no Viomundo:

“Em muitos casos, o híbrido humor/jornalismo é um salvo conduto para se ferir a dignidade das pessoas. Se por acaso precisam de credencial para entrar em lugares que se fazem presentes jornalistas, dizem que o são. Quando extrapolam qualquer limite ético para seu exercício, se dizem humoristas. E assim se vai levando.”

PEC das empregadas segundo as "Mulheres Ricas"

Deu no iG:

Sem título
assista, se for capaz

Contrariando todas normas básicas de higiene e profilaxia esse blog exibe a instrutiva analise da socialite Regina Mansur, para quem: “trabalhador é trabalhador, e o doméstico é doméstico”.

Com cinco empregados fixos em casa, a advogada participante do programa “Mulheres ricas” afirma que a legislação trabalhista brasileira “é paternalista”.

“Infelizmente não vou admitir empregadas com filhos pequenos, assim como não admito moças que vão engravidar no escritório, porque eu sei que eu vou ficar um ano sem empregada, contrato homens.” (sic)

Leia: Critica à PEC das Domésticas é discurso da herança escravagista, diz professor da UnB

Veja porque Bolsonaro não entende a PEC

Veja também o afeto da classe média

 

PSDB desiste de tentar entender o Brasil e contrata marqueteiro americano

De na Folha:

VEJA
Sim, nós podemos! Podemos?

O PSDB vai trazer um dos estrategistas da campanha do presidente dos EUA, Barack Obama, para ajudar a construir a candidatura do senador Aécio Neves à Presidência da República em 2014.

A costura para trazer David Axelrod, um ex-alto funcionário da Casa Branca e conselheiro político das campanhas presidenciais de Obama, foi feita pelo novo marqueteiro do tucano, Renato Pereira, com ajuda do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso –que tem proximidade com o ex-presidente norte-americano Bill Clinton.

Segundo a Folha apurou, o partido também fez contato com Antonio Villaraigosa, prefeito de Los Angeles e uma das estrelas em ascensão do Partido Democrata dos EUA.

Haddad reclama da Globo

Esta no perfil do prefeito no Facebook, nota do portal Brasilianas:

Globo omite nome do prefeito Fernando Haddad (PT/SP) no decreto que evitou ‘drama social’ em terreno na zona leste

Por Antonio Nelson E Antonio Martins Pereira

Sob o título, Prefeitura decide desapropriar área que seria reintegrada na capital de SP, o Bom Dia Brasil desta quarta-feira, Edição do dia 27/03/2013, evitou pronunciar o nome do prefeito da capital de SP, Fernando Haddad (PT), no decreto que evitou ‘drama social’ em terreno na zona leste.

A jornalista Carla Vilhena (São Paulo) apresentou dificuldades ao falar sobre a ação de Haddad na desapropriação social, ou seja, a compra do terreno para solucionar os males que as famílias enfrentavam.

Confira abaixo o texto e vídeo no link direcionado:

Saindo do Foco:

Quem viu o JN do dia 26 ficou com a impressão de que a tragédia foi evitada por Geraldo Alckmin (“quem não reagiu sobreviveu”).

Veja trecho do off:

“A tarde, o Governo do Estado pediu ao Tribunal de Justiça que suspendesse a reintegração de posse. Isso ocorreu, depois que o governador Geraldo Alckmin (“quem não reagiu sobreviveu”) conversou com o prefeito Fernando Haddad e foi informado que a prefeitura resolveu desapropriar a área.”

Não adianta, Haddad não é da hípica.

Alberto Dines tem uma tese sobre a grande imprensa brasileira. Ele não acha que a imprensa chegue a ser um partido, ele acha que a imprensa é um clube hípico.

Todo mundo se odeia lá dentro, mais os de dentro são os de dentro, e os de fora são os de fora.

O Haddad é de fora.

2013: igrejas podem ganhar poderes para questionar leis

 

2013? Vai indo que eu vou ficar…

Saiu no Estadão:

 Comissão aprova proposta que dá poder para igrejas questionarem leis no STF

 

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira, 27, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 99/11, do deputado João Campos (PSDB-GO), que inclui as entidades religiosas de âmbito nacional entre aquelas que podem propor ação direta de inconstitucionalidade e ação declaratória de constitucionalidade ao Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Entre estas entidades estão, por exemplo, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil e a Convenção Batista Nacional. A PEC será analisada por uma comissão especial e, em seguida, votada em dois turnos pelo plenário.

 

Atualmente, só podem propor esse tipo de ação o presidente da República, a mesa do Senado Federal, a mesa da Câmara dos Deputados, a mesa de Assembleia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal, governadores de Estado ou do Distrito Federal, o procurador-geral da República, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, partidos políticos com representação no Congresso Nacional e confederações sindicais ou entidades de classe de âmbito nacional.

 

Para João Campos, a PEC significa uma “ampliação da cidadania e do acesso à Justiça”. “Alguns temas dizem respeito diretamente às entidades religiosas. A questão da imunidade tributária, por exemplo, assim como a liberdade religiosa e o ensino religioso facultativo, entre outros. Se tivermos em algum momento alguma lei que fere um desses princípios não teríamos como questionar isso no Supremo. Com a proposta, estamos corrigindo uma grave omissão em que o constituinte incorreu ao deixar essa lacuna”, argumentou o autor da PEC 99/11.

 

Saindo do foco

 

Por Bruno Pavan

 

Além de povoar a Câmara dos Deputados, o Senado e até ministérios, as igrejas agora podem ter influência, também, na confecção das leis do Brasil.

 

É um passo para trás inimaginável em pleno século XXI. Ao invés de reforçarmos o Estado laico, vamos minando-o cada vez mais por dentro.

 

Se não temos um debate sério sobre aborto e casamento gay hoje, imaginem com Malafaias, Felicianos, Bispos de Guarulhos e assemelhados por aí questionando leis.

 

Seria o caso de questionar a participação dos movimentos sociais nesse processo.

 

E de olharmos para o calendário para tirar a dúvida se hoje é mesmo 2013.

Jair Bolsonaro perde a empregada. E ainda sim, ele não entende

Sugestão do colaborador João Andrade,

download
Ele não entendeu nada

Deu no Extra:

Ontem, dia em que a PEC das Domésticas foi votada no Senado, Eliana Monteiro, de 46 anos, começou em um novo emprego. Ex-empregada do deputado federal Jair Bolsonaro (PP/RJ) – contrário à proposta -, Eliana pediu dispensa da casa do parlamentar anteontem.

A arrumadeira conseguiu um emprego em que ganhará R$ 2 mil, em lugar dos R$ 1.500 que recebia na casa do político, além de manter os mesmos benefícios concedidos.

– Ele é um patrão muito bom e recolhia meu FGTS. Nunca atrasou nada, muito pelo contrário. Nem descontava do meu salário o que recolhia para o INSS – contou Eliane, que ficou na casa de Bolsonaro por um ano e meio e, a cada 15 dias, ganhava passagens para visitar a família em Campos (RJ).

Para o deputado, a PEC das Domésticas vai gerar uma onda de demissões que pode atingir até 50% das empregadas:

– A minha preocupação é não deixar que as domésticas fiquem na informalidade e com dificuldade de arranjar emprego. Muitas delas, que hoje têm carteira assinada, serão reaproveitadas como diaristas. Isso acontecerá porque o patrão que ganha um salário entre R$ 3 mil e R$ 4 mil terá dificuldade para pagar uma funcionária com esses novos encargos. Acho importante dar os direitos para os trabalhadores, mas, na prática, quero ver como o patrão vai pagar. Muitas empregadas vão acabar dependendo do Bolsa Família.

Saindo do Foco

Por Murilo Silva

O que o “bem intencionado” Jair Bolsonaro parece não entender é que a filha da dona Maria não será mais doméstica.

Segundo a ONU, existem 52 milhões de trabalhadores domésticos no mundo – esse número não leva em consideração o trabalho infantil, devem ser muitos mais.

Desse 52 milhões, a maioria absoluta é de mulheres, 83%; 29,9% estão excluídos da legislação laboral nacional; 45% não têm direito a período de descanso semanal ou férias anuais remuneradas. Mais de 1/3 das trabalhadoras domésticas não têm direito a proteção à maternidade.

Do universo de 52 milhões de empregados domésticos no mundo, 19 milhões estão na América Latina e Caribe; e não menos que 7,2 milhões de empregados domésticos estão neste continente chamado Brasil.

O Brasil é o país com mais empegados domésticos no mundo segundo a Organização Internacional do Trabalho, órgão da ONU.

Tos os países desenvolvidos juntos somam 3,6 milhões de empregados domésticos, é a metade do que o Brasil tem sozinho.

Esses 7,2 milhões de trabalhadores, ou melhor, trabalhadoras, engrossava até ontem a estatística dos 29% de trabalhadores domésticos que estão excluídos da legislação laboral nacional.

A PEC das empregadas é uma revolução silenciosa.

É a segunda abolição, como manchetou a Zero Hora.

As domésticas não ficaram sem emprego. Porque muitas delas já foram para o call-center, para o comércio, serviço, indústria e construção civil.

Como disse Delfim Neto: “um processo civilizatório esta em marcha. A empregada doméstica foi pro call-center, virou manicure e passou a tomar banho com sabonete Dove.”

Não é comunismo! É capitalismo, estúpido.

O trabalho doméstico não é mais para o bico da classe média.

Bem vindo a civilização, meu bom reaça.

Em tempo: Leia trechos de um excelente artigo sobre o tema na Fobes – tradução livre.

Kenneth Rapoza da Forbes, conta sua experiência como correspondente no Brasil:

“Eu vivi no Brasil por 10 anos. Saí em março de 2010. Empregadas faziam meu almoço: arroz, feijão e carne. Salada. Sobremesa. Refresco, suco de laranja ou limonada suíça ou maracujá ou guaraná. Em seguida, ela lavava a louça. Depois, lavava e passava minhas roupas.” […] “Eu pagava R $ 80 por dia, ou R $ 140 por semana, cerca de US $ 78 para dois dias completos de trabalho.” […]

“Uma colunista do jornal Folha de São Paulo também morava no prédio (em Higienópolis). Ela tinha uma filha. Só a filha tinha uma empregada e uma babá, sete dias por semana. Era uma colunista de 40 e poucos anos de um jornal tradicional, não uma estrela de rock.” […]

“A renda de empregadas domésticas brasileiras aumentou em média 6,7 por cento em apenas um ano, em termos reais. O aumento do salário causa um constante declínio no número de trabalhadores domésticos no mercado.” […] ” Os pobres têm coisas melhores para fazer do que trabalhar para adolescentes de classe média que ainda não aprenderam nem a dobrar e guardar as suas próprias camisetas.”

“Salários elevados – escassez. Muitos brasileiros não podem mais pagar empregadas. Bem-vindo ao seu sonho americano, Brasil !”